junho 16, 2009

Ó sino da minha aldeia


Ó sino da minha aldeia
Dolente na tarde calma
Cada tua badalada
Soa dentro de minha alma.

E é tão lento o teu soar,
Tão como triste da vida,
Que já a primeira pancada
Tem o som de repetida.

Por mais que me tanjas perto
Quando passo, sempre errante,
És para mim como um sonho.
Soas-me na alma distante.

A cada pancada tua,
Vibrante no céu aberto,
Sinto mais longe o passado,
Sinto a saudade mais perto.


Poema: Fernando Pessoa

6 comentários:

  1. excelente perspectiva!!!! onde fica este sino?? ta excelente!!!

    ResponderEliminar
  2. Excelente foto e maravilhoso poema de Pessoa
    Parabéns
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Enquadramento e nível de contraste excelentes.

    ResponderEliminar
  4. Excelente composição!

    Profundo e cativante...

    ML 2009

    ResponderEliminar
  5. Onde fica isso??
    Espectacular.
    Gosto do teu olhar.
    Abraço

    ResponderEliminar